queridos pet's

PitaPata Cat tickers PitaPata Cat tickers PitaPata Cat tickers> PitaPata Cat tickers PitaPata Cat tickers

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

...

E há que se ter coragem pra seguir viagem nessa aventura que é viver e ser feliz...


domingo, 28 de julho de 2013

A VIDA AMOROSA E OS DITADOS

Se tem uma coisa que enche o saco são dois ditados com relação a vida amorosa. Pois aqui estão minhas respostas para estes ditados.

DITADO 1: O QUE É TEU TÁ GUARDADO. Ah é, tá guardado? Pois então me mostra aonde, porque eu to cansando de procurar. Afinal, tudo que fica guardado por muito tempo cria mofo e estraga.

DITADO 2: PRA CADA PÉ TORTO TEM UM CHINELO VELHO. Meu bem, eu não sou nenhum pé torto (aliás, meu pé é até bem bonitinho rsrsrsrs) então eu não me conformo com qualquer chinelo velho não, viu... Quero muito mais que isso... Quero um cara legal, descente, inteligente e que não tenha medo de se envolver. Ah, estou aceitando currículos kkkkkkk Mas é necessário ter anexado os seguintes documentos: atestado de bons  antecedentes; atestado de boa saúde mental e comprovação de que não sofre das síndromes de Peter Pan e nem da síndrome de Mister M (some do nada) kkkkkkk E aí, algum candidato que não seja um chinelo velho qualquer? kkkkkk Dispenso qualquer tipo de canalha... Difícil achar homens de verdade hoje em dia..

sábado, 27 de julho de 2013

Este ano tem sido um ano maravilhoso pra mim. Não, nada mudou... Pouco há de novo. Apenas tenho percebido como sou uma pessoa plena e feliz. Eu não tenho problemas, de fato. E qualquer dificuldade que surja na minha vida sempre é possível superá-la. Evito aborrecimentos desnecessários. Sou uma pessoa inteira, me sinto bem e satisfeita comigo mesma, faço o que gosto, gozo plenamente de minha capacidade física e mental, tenho família, amigos, emprego, um teto, saúde... que tipo de problema que eu poderia ter? De fato, aprendi a parar de reclamar e a ver tudo de bom e maravilhoso que tenho em minha vida; aprendi a dar valor a isso... faz tempo que não reclamo de nada, que não lamento... e como tenho me sentido melhor. Todo aborrecimento tem sido passageiro. Na virada do ano tive um momento muito zen, fiz minhas orações e a comunhão com a natureza e o cosmos ao meu redor; depois disso comecei a sentir uma energia positiva e iluminada entrar em minha vida. Nada mudou; apenas eu mesma mudei. Aprendi a olhar ao meu redor e para dentro de mim e finalmente consegui entender quando dizem que encontramos a felicidade dentro de nós. E como eu sou feliz; como eu me sinto bem...
Fim de semana em Canoa Quebrada encontrei uma mulher, vendedora de artesanato e que fazia tererê, a senhora Viviane das Tranças... quem for a Canoa a procure e converse com ela e pode ser que tenha um outro olhar sobre sua própria vida. Eu já estava nesse meu momento de percepção, mas a conversa com ela apenas ressaltou o que eu já penso: Viviane (que na verdade se chama Nirvania) teve vários cânceres, fez muitas quimios e rádioterapias, tem 8 filhos pequenos e o marido a abandonou quando ela ficou doente... Mesmo assim ela é feliz, sorri, trabalha e passa importantes lições para seus filhos, valores importantes.. Ela disse que não tem estresse e diz aos seus filhos que estresse causa câncer então eles não devem se estressar, rsrsrsrsrs. Tudo com um bom humor e um sorriso.
Pois eu concordo com a Viviane; ela atingiu esse patamar que estou tentando buscar na minha vida. 
Se você já tem tudo (saúde, família, emprego, etc) que é possível para lhe fazer feliz, apenas aprenda a ser feliz.


Cair, levantar, seguir...

Pois a vida é mesmo assim... andar, cair, levantar, andar, cair, levantar.... erguer a cabeça, estufar o peito e seguir em frente. Passa o batom, arma o sorriso e vai. Não ficar esperando da vida, não ficar esperando dos outros; apenas saber o que queremos de nós mesmas e ir a luta. Saber que o hoje é o que temos e viver o momento da melhor forma que nos for permitido. Pois a vida é mesmo assim... não é diferente nem pra um nem pra outro; a diferença está na forma como enfrentamos as nossas cicatrizes... Não há nada que o tempo não cure, mas se você ficar remoendo, lamentando, dói mais, demora mais... trate, cuide, esqueça..


quinta-feira, 11 de abril de 2013

Não estou sozinha!


Dos últimos tempos, este quadrinho foi um dos que mais me tocou. É a sensação que tenho tido com relação as pessoas que querem fazer o bem. Que estamos apenas espalhados, mas que estamos começando a nos reunir.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Bons exemplos que os animais nos dão!

video
Aprender a conviver com o diferente é obrigação de todos; aprender a amar o diferente é privilégio de poucos! Vídeo lindo que recebi por e-mail. Vale muito a pena assistir.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Dorzinha

Não é justo. Deveria ter uma lei: As coisas não deveriam doer mais tempo do que o tempo que, no passado, elas nos fizeram feliz.


quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Tantas bobagens...

E o tempo vai passando e a sensação de que a realização amorosa é um sonho distante...
Pessoas e pessoas passam pela vida da gente... pessoas que são são A pessoa; pessoas quem podem ser A pessoa, mas que não é o momento. E a gente fica tentando pensar em como fazer, o que fazer...
É estranho conhecer uma pessoa, achar essa pessoa super interessante, mesmo mal conhecendo, nada acontecer e ter a sensação de talvez ter perdido o momento.
Ou conhecer uma pessoa de quem você realmente gosta e que gosta de você, mas que o momento não permite...
Ou ainda uma história cercada de desencontros...
Afinal, tanta bobagem, tantas andanças...
Mas de fato, eu queria alguém para amar; um amor calmo, tranquilo, com divisão de responsabilidades. E um homem corajoso; ou seja, que tivesse coragem de amar e ser amado. Está difícil encontrar, ficar, permanecer...

domingo, 17 de fevereiro de 2013

alma

minha alma simples, quase plena, música, nuvem, sol e chuva abre as asas voa raso e sonha alto... minha alma coração caminha leve, viaja e busca o encontro e o desencontro... minha alma sonho, minha alma chão, pouco tudo, muito eu...



sábado, 2 de fevereiro de 2013

As vagas de deficientes e idosos

Tá uma (positiva) onda de denunciar imbecis que estacionam nas vagas pra deficientes. Este click é de 17.01.13, início da noite, no Extra Montese- Fortaleza-CE, quando esse motorista quis dar uma de esperto e colocou o carro na faixa entre as duas vagas pra deficientes, em diagonal pra tentar caber. Desse jeito ele inutilizou as 2 vagas de deficiente. Se você também se indigna, compartilhe, divulgue. Quem sabe ele e outros vejam e criem vergonha de cometer infração grave e anti-cidadã.

Contudo, infelizmente vejo isso todos os dias no local, Extra do Montese, mesmo quando há muitas vagas vazias. Não dá pra ficar fotografando pra denunciar todos os dias. Esse é o povo do nosso país. Querem cobrar dos políticos mas não fazem melhor, não exercem o mínimo de cidadania. Não entendem que a mudança começa em cada um.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Os bons me sobram

Tenho me afastado definitivamente ou temporariamente de tudo que não me faz bem, que me causa aborrecimento ou estresse; de pessoas ingratas; de pessoas extremamente autoritárias; de pessoas que só apontam problemas e nunca soluções; de pessoas que sabem cobrar é não sabem fazer ou agradecer; de pessoas que dizem mais do que fazem e usam o que os outros fazem para se autopromover...
Não importa que sobrem poucas pessoas, mas que aqueles que me restam sejam verdadeiros, dedicados, amigos, tenham humildade, saibam compartilhar, saibam reconhecer os méritos alheios ou méritos coletivos. São estes que quero ao meu lado, nesta luta árdua e diária.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Quando ele entender que meu samba não é rumba

Ainda hoje vemos muito em filmes americanos a representação de brasileiros falando espanhol e dançando salsa, merengue, rumba como se fosse samba...
Quando será que eles vão entender que aqui falamos português, que nossa capital não é Buenos Aires (nada contra) e que não dançamos chá-chá-chá?

"Só ponho bebop no meu samba
Quando o tio Sam pegar no tamborim
Quando ele pegar no pandeiro e no zabumba
Quando ele entender que o samba não é rumba"

Samba é do Brasil






Rumba não é do Brasil




Entendeu agora, gringo???





terça-feira, 29 de janeiro de 2013

DOR - difícil de traduzir em palavras - Santa Maria

Difícil traduzir em palavras a dor de ver a cidade que tanto amo, na qual vive 4 lindos e loucos e alegres anos de minha vida, vivendo a maior dor que se pode haver...
Difícil imaginar que a Santa Maria dos sorrisos, das amizades, dos amores e dissabores agora seja a Santa Maria das lágrimas, da dor e da morte.
Difícil ver as imagens que não se cansam de repetir, quando a lembrança que se tem são as noites alegres, nas boates, com os amigos.
Muito difícil... Difícil ver a alegre, jovem e universitária Santa Maria, tão linda com suas particularidades, ser conhecida mundialmente pela tragédia, o fogo, a fumaça e a perda de tantas vidas ceifadas...
Não, não foi uma fatalidade, Foi falta de responsabilidade; foi querer ganhar dinheiro. Não foi uma fatalidade; foi um crime.
Santa Maria, ainda te amo e estarei sempre contigo. Minhas alegrias sempre serão suas, assim como, nesse momento, sua dor é minha dor.

Abaixo, um texto que vi sendo divulgado no Facebook, que acho que traduz um pouco do que nós, que já vivemos no pulsante coração do Rio Grande, estamos sentindo:



"Santa Maria - RS

Quem não é de Santa Maria, talvez não esteja entendendo o porquê de tamanha comoção. A questão é que Santa Maria não é apenas uma cidade, é uma fase na vida de boa parte dos gaúchos.

Santa Maria é uma cidade onde muita gente se descobre adulto. Deixamos a casa dos pais e acabamos fazendo amizades com uma facilidade imensa, porque todo mundo se sente meio órfão em Santa Maria.

É aqui que vivemos com estes amigos as histórias que não poderemos contar para os nossos filhos, mas que com certeza lembraremos para sempre. É onde conhecemos as melhores pessoas que levaremos para a vida, muitas destas perdidas nessa tragédia.

Aqui o desconhecido do início da festa se torna amigo de infância até o final da noite. Uma cidade onde é difícil ficar sozinho, porque em qualquer lugar que se vá, algum conhecido da faculdade estará por lá. Aliás, a impressão que tenho é que o mundo é uma porção de terra ao redor de Santa Maria, porque é incrível como sempre encontramos um santa-mariense, seja lá qual dos cantos do planeta estejamos.

Santa Maria é uma cidade onde se pode sair com 2 pilas no bolso e voltar bêbado para casa, porque sempre surgem copos de cerveja durante a madrugada. É aqui que conhecemos um bando de loucos que daqui uns anos serão profissionais das mais diversas áreas pelo país todo, afinal, aqui todo mundo é universitário.

Santa Maria é uma cidade pequena com cara de cidade grande, ou uma cidade grande com o sentimento de uma cidade interiorana. O que fica disso tudo é que, deveras, Santa Maria é a cidade coração do Rio Grande".

Via - Marcio Nunes de Nunes